Newsletter

Receba todas as nossas novidades. >>
BIODIVERSIDADE  >  Fauna  >  Borboletas  >  Vanessa cardui

Vanessa cardui (Linnaeus, 1758)


(Paula Arnaldo)

  

Família
Nymphalidae

Nome científico
Vanessa cardui

Morfologia externa da espécie
Espécie com fundo castanho-alaranjado, com manchas escuras. Nas asas anteriores a face superior é negra na zona apical e com pintas brancas, enquanto a face inferior é matizada. As asas posteriores mostram quatro ocelos escuros na face inferior. As fêmeas são geralmente maiores e como uma envergadura de 55-70 mm.

Biologia e habitat
Existem duas a três gerações. Os adultos voam de Março a Outubro e as fêmeas colocam os ovos isoladamente no topo dos hospedeiros. Após a eclosão as lagartas aglomeram-se em ninhos de seda e alimentam-se das folhas das plantas, nomeadamente Asteraceae spp., incluindo Cirsium, Carduus, Centaurea, Arctium, Helianthus e Artemisia, Malvaceas spp. e vários legumes (Fabaceas spp). Cerca de onze dias depois, as lagartas pupam sendo esta sensível ao frio. Uma semana depois surge o adulto que se alimenta de néctar de diversas flores.
Encontra-se por toda a parte, até aos 2000 metros de altitude, especialmente zonas abertas incluindo jardins, campos abandonados e dunas.

Distribuição
Espécie cosmopolita, aparecendo em todo o mundo (excepto na Austrália e Antárctida). Em Portugal a espécie é comum em todo território Nacional, sendo que as populações do sul de Portugal são reforçadas por indivíduos migrantes, provenientes de África.

Comentários
Esta espécie é migradora e podem ocorrer indivíduos de formas anãs. As migrações dão-se normalmente do Norte de África e Mediterrâneo para a Europa em Maio e Junho.